CARNE DE BOVINO TRADICIONAL DE MONTADO OU CARNE DE BOVINO TRADICIONAL DO MONTADO ALENTEJANO

especialidade tradicional garantida - ETG

Registo Provisório
Requereu - Indicação Geográfica Protegida - IGP

Entende-se por CARNE DE BOVINO TRADICIONAL DE MONTADO ou CARNE DEBOVINO TRADICIONAL DO MONTADO ALENTEJANO, a carne proveniente da desmancha de bovinos de aptidão cárnica criados em condições extensivas no sistema de exploração agro-silvo-pastoril de montado, segundo os moldes tradicionais e abatidos entre os 6 e os 12 meses "Vitela Tradicional do Montado - ETG" ou entre os 12 e os 30 meses "Novilho Tradicional do Montado - ETG", ou com mais de 30 meses "Vaca Tradicional do Montado - ETG".

Características das carcaças:

De acordo com a idade de abate dos animais, a carne de bovino tradicional de montado ou carne de bovino tradicional do montado Alentejano , apresenta as seguintes características:

  • VitelaTradicional do Montado – ETG (IGP) - animais abatidos entre os 6 e os 12 meses com peso de carcaça compreendido entre 120 Kg e 175 Kg ( 80 Kg e 200 Kg - IGP) para fêmeas e entre 150 Kg a 220 Kg ( 80 Kg a 220 Kg - IGP) para machos. São admitidos animais que estejam classificados como LA ou LO (vitela e vitelão), segundo a legislação em vigor para a classificação de carcaças de bovinos leves. A carne obtida a partir destes animais apresenta-se tenra, de cor rosada, com ligeira infiltração de gordura ao nível intramuscular, de grande suculência e textura suave;
  • Novilho Tradicional do Montado - ETG (IGP) - animais abatidos entre os 12 e os 30 meses com peso de carcaça superior a 220 Kg para machos e superior a 175 Kg ( 200 Kg - IGP) para fêmeas. São admitidas carcaças com as conformações de E, U, R e O da grelha de classificação EUROP* , sendo admitidas as classificações 1, 2 e 3 quanto ao estado da gordura. A classificação 4 só é permitida em carcaças, cuja carne se destina a ser comercializada em peças inteiras ou fatiadas. A carne obtida a partir destes animais apresenta-se tenra, de cor rosada a rosado escura, com ligeira infiltração de gordura ao nível intramuscular, grande suculência e textura suave;
  • Vaca Tradicional do Montado - ETG (IGP) - animais abatidos com mais de 30 meses, com pesos de carcaça superiores a 200 Kg. São admitidas as carcaças com as conformações U, R, O e P da grelha de classificação EUROP*, sendo admitidas as classificações 2 e 3 quanto ao estado da gordura. A carne obtida a partir destes animais apresenta cor vermelha, com infiltração de gordura ao nível intramuscular. A textura é de suave a média e a carne é suculenta.

* Reg. (CEE) 1 026 /91

O uso da Especialidade Tradicional Garantida «Bovino Tradicional de Montado ou Bovino Tradicional do Montado Alentejano» obriga a que a carne seja produzida de acordo com as regras estipuladas no caderno de especificações, o qual inclui, designadamente, a identificação dos animais nas explorações autorizadas, o saneamento e a assistência veterinária, o sistema de produção, a alimentação, as substâncias de uso interdito e as condições a observar no abate, na conservação e desmancha das carcaças, bem como no transporte, acondicionamento, rotulagem e exposição para venda..

Comercialmente, a “Carne de Bovino Tradicional do Montado” apresenta-se em carcaças, hemi-carcaças ou quartos de carcaças devidamente marcadas e ostentando de forma indelével ou inviolável, a marca de certificação. Peças acondicionadas em saco próprio. Peças, partes de peças ou fatiados, acondicionados em couvetes ou outro material apropriado, em atmosfera controlada, vácuo ou congelados pelo processo de congelação rápida. Preparados, pode ser o produto picado, moldado, enrolado, em cubos, tiras ou outras formas, as quais se apresentam acondicionados em couvetes ou outro material apropriado, em atmosfera controlada, vácuo ou congelados pelo processo de congelação rápida, em que a Carne de Bovino Tradicional do Montado - IG represente no mínimo, 95 % em peso do produto final. Nos "preparados" em que se utilizem como ingredientes produtos vegetais, tais como cebola, cenoura, ou outros, admite-se que a Carne de Bovino Tradicional do Montado - IG represente no mínimo 60 % em peso do produto final. Quando estes "preparados" não sejam extremes, os restantes ingredientes têm que ser específicamente mencionados na rotulagem, nos termos da legislação em vigor, bem como o teor em peso. Em todos estes produtos deve constar a menção "Carne de Bovino Tradicional do Montado - IGP" além da marca de certificação.

A rotulagem deve cumprir os requisitos da legislação em vigor, onde deve constar as menções «Carne de Bovino Tradicional do Montado - ETG», para além da marca de certificação aposta pelo respectivo organismo privado de controlo e certificação.

As carcaças, hemi-carcaças, quartos de carcaça e peças, são sempre acompanhadas no transporte e na comercialização, do certificado de origem onde consta a identificação do produtor, identificação do animal, identificação do matadouro e sala de desmancha e quaisquer outros documentos exigidos pela legislação em vigor.

Só podem beneficiar do uso da menção "Especialidade Tradicional Garantida - ETG" , os produtores que sejam expressamente autorizados pelo Agrupamento de Produtores ACOMOR - Agrupamento de Produtores de Montemor-o-Novo e se comprometam a respeitar todas as disposições do caderno de especificações e se submetam ao controlo a realizar pelo Organismo Privado de Controlo – OPC, que é a AGRICERT - Certificação de Produtos Agrícolas, Ld.ª , podendo beneficiar tanto as carcaças como as hemi-carcaças, de vitela, novilho ou vaca, ou as peças inteiras ou fatiadas delas proveniente, tendo consoante o animal as menções " Vitela Tradicional do Montado - ETG", Novilho Tradicional do Montado - ETG" ou "Vaca Tradicional do Montado - ETG".

Para a IGP:

Tendo em conta as condições climáticas requeridas para a produção de Carne de Bovino Tradicional do Montado, as condições edafo-climáticas especiais da região, o saber fazer peculiar das populações e os métodos locais, leais e constantes a Área Geográfica de Produção (nascimento, cria , abate desmancha, fatiagem e acondicionamento dos bovinos) está circunscrita a todos aos Distritos de Beja, Évora e Portalegre; aos Concelhos de Castelo Branco, Idanha-a-Nova, Proença-a-Nova e Vila Velha de Ródão do Distrito de Castelo Branco; aos Concelhos de Abrantes, Almeirim, Alpiarça, Benavente, Chamusca, Constância, Coruche, Golegã, Mação, Salvaterra de Magos, Santarém, Sardoal e Vila Nova da Barquinha do Distrito de Santarém; e aos Concelhos de Alcácer do Sal, Alcochete, Grândola, Moita, Montijo, Palmela, Santiago do Cacém, Setúbal e Sines, do Distrito de Setúbal.

A área de implantação na Região Agrária do Centro é de 397 979 ha.

 

Agrupamento de Produtores

ACOMOR - Agrupamento de Produtores de Montemor-o-Novo, SA
Largo Bento de Jesus Caraça Loja N.º 5 / 6
7050-138 MONTEMOR-O-NOVO
Tel.: +351 266 890 575
Fax: +351 266 890 575

 

OPC – Organismo Privado de Controlo e Certificação

AGRICERT - Certificação de Produtos Alimentares, Ld.ª
Rua Alfredo Mirante, N.º 1, R/c - esq. 7350- ELVAS
Tel.: +351 268 625 026
Fax: +351 268 626 546
E-mail: agricert@agricert.pt

todos os produtos


mais informação